Header Ads

Acusado de matar advogado Kelson Feitosa será julgado nesta terça

Vai acontecer nesta terça-feira (08), às 9h, o Júri Popular de Francisco de Sousa Rosa, acusado de assassinar a tiros o advogado Kelson Dias Feitosa no dia 13 de juno de 2016, em Barras. O julgamento estava marcado para o dia 12 maio, mas acabou sendo adiado. A decisão foi dada pelo juiz João Manoel de Moura Ayres, da Vara Criminal de Barras.

O adiamento da sessão ocorreu após a Defensoria Pública do Piauí entrar com o pedido na comarca, no dia 27 de maio de 2021, alegando que o prazo para formar a defesa do réu era curto devido à complexidade do caso.

Foto: Divulgação
Advogado Kelson Dias Feitosa

“Em petição apresentada em 27/05/2021, a Defensoria Pública pugnou pela redesignação da sessão do Tribunal do Júri alegando, em síntese, que o prazo para patrocinar a defesa do réu é exíguo, dada a complexidade do caso e o acúmulo de atribuições da Douta Defensora Pública, bem como, invoca a situação pandêmica, evidenciando a possibilidade de contaminação pelo vírus SARSCoV-2, conhecido como COVID-19”, destacou.

Entenda o caso

Francisco de Sousa Rosa foi denunciado à Justiça pela prática dos crimes tipificados como homicídio qualificado por motivo fútil e mediante a utilização de recursos que impossibilitou a defesa da vítima, bem como da tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Francisco de Sousa Rosa, no dia 13 de junho de 2016, as 10h, foi até o escritório de advocacia localizado a Rua Leônidas Melo, na cidade de Barras, e utilizando uma arma de fogo, deflagrou 5 tiros contra o advogado Kelson Dias Feitosa, provocando a sua morte. Em seguida dirigiu-se ao Mercadinho Veloso, com arma em punho e efetuou disparos contra a vítima Sebastião da Silva Veloso, porém, os cartuchos não foram deflagrados e em seguida efetuou várias coronhadas contra a cabeça de Sebastião.

O advogado assassinado esteve dias antes, em 07 de junho, no Fórum da Comarca de Demerval Lobão, numa audiência com o assassino confesso, que havia ajuizado ação reparatória de danos morais. Kelson era o advogado de Sebastião da Silva Veloso.

FONTE: GP1
Tecnologia do Blogger.
google-site-verification: google2b0840f1e7609044.html