Header Ads

Covid-19: ocupação dos leitos de UTI chega a 100% no Ceará

Estado nordestino com o maior número de casos confirmados de covid-19, o Ceará já não tem mais leitos de UTI disponíveis e o governo prevê que a capital, Fortaleza, registrará 250 mortes pelo novo coronavírus por dia, a partir de maio. O Estado já comprou 15 mil novos túmulos para dar conta da demanda de óbitos.


O desafio em oferecer o maior número de leitos hospitalares possíveis cresce no Estado, tanto em Fortaleza, que concentra o maior número de confirmações, quanto no interior. Segundo o Secretário do Estado de Saúde, Dr. Cabeto, esse é o ponto que mais preocupa as autoridades médicas. "Nosso sistema público não tem mais leito de UTI, acabou", disse.

Coronavírus: ocupação dos leitos de UTI chega a 100% no Ceará REUTERS/Bruno KellyFoto: Reuters

A situação em relação a equipamentos também é preocupante. "Embora estejamos esperando uma compra da China, que prometeu 200 respiradores, eu fui informado de que não vamos receber nenhum. E os equipamentos de proteção individual, que são máscaras, viseiras e luvas, essenciais para os profissionais de saúde, só temos cinco dias de estoque."

Cabeto alerta para a possibilidade de colapso do sistema de saúde do Ceará em maio. "Nós devemos chegar na próxima semana com uma mortalidade em torno de 10%." O governador Camilo Santana (PT) diz que o Estado está tentando realizar a compra de respiradores "em qualquer canto". "Conseguimos adquirir alguns que já haviam sido pagos aqui no Brasil, conseguimos consertar outros que estavam quebrados. Mas a compra de novos equipamentos tem sido um desafio."

Até agora, o Estado assumiu a gestão de dois hospitais particulares. O Leonardo da Vinci, que já está ativo e dispõe de 230 leitos para pacientes com a covid-19, e o Hospital Batista, que vai oferecer 131 leitos, 7 de UTI.

Em todo o Ceará há 120 pacientes internados em UTIs, um crescimento de quase 10 leitos por dia. De acordo com Camilo Santana, a meta é expandir para 600 novos leitos de UTI em todo o Estado. Em Fortaleza, a prefeitura está construindo um hospital de campanha, mas, inicialmente, a unidade não receberá pacientes graves.

Santana pede que a população procure as unidades de saúde nos primeiros cinco dias de aparecimento dos sintomas. A explicação para a falta de UTIs é que as pessoas estão chegando aos hospitais em situação muito grave, tendo de ser encaminhadas diretamente para UTIs.

Tecnologia do Blogger.
google-site-verification: google2b0840f1e7609044.html